segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Teatro Cici Pinheiro


Teatro de Bolso Cici Pinheiro É Reinaugurado


A Prefeitura de Goiânia, por meio da Secretaria Municipal de Cultura, reinaugura, no próximo dia 03, sexta, às 20h, o Teatro de Bolso Cici Pinheiro, no Complexo Casa das Artes (Av. Anhanguera, esq. com rua R-1, Setor Oeste, próximo ao Lago das Rosas).

Grandes nomes do teatro goiano serão homenageados na ocasião, como os diretores de Teatro Ivan Lima, Júlio Vann, Delgado Filho, Newton Murce, Danilo Alencar e Constantino Isidoro. Os seis saem dos bastidores e voltam ao palco para apresentação de pequenas cenas, nas quais atuarão como atores.

O Teatro de Bolso Ceci Pinheiro contará com 80 lugares e foi idealizado para a realização de pequenas temporadas teatrais na cidade. Já estão agendados os espetáculos “A história é Uma Istória”, do Grupo Bastet; “Olho”, com a Cia Oops!. de Teatro; “Sobre o Amor” e “Dois Patetas Espatifados”, do Grupo Trupicão, além de uma Mostra de Teatro Infantil, programada para a semana da criança, na qual crianças não pagarão ingressos.


Fotos: Espetáculo "Sobre O Amor" de volta em dezembro no Teatro Cici Pinheiro.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

O PÁSSARO DO BICO DE FERRO

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

COMEÇA A PRIMEIRA GRANDE REVIRADA CULTURAL DE GOIÂNIA


Manifestações culturais em música, cinema, teatro, dança e artes plásticas vão se intensificar na cidade a partir desta sexta-feira (13) sob o guarda-chuva do projeto da 1ª Grande Revirada Cultural de Goiânia. Articulado pela prefeitura, o evento contará com uma extensa programação que tem, entre outros objetivos, o intuito de levar atrações culturais a regiões afastadas do Centro da cidade.

Serão mais de uma centena de atrações artísticas até 12 de setembro, muitas delas já conhecidas do público, novidades, além do retorno de iniciativas culturais que já haviam feito parte da cena cultural da capital.

Na abertura hoje, a Secretaria Municipal de Cultura (Secult), que coordena o projeto, trará de volta à esquina da Avenida Goiás com a Rua 3, no Centro, o projeto Grande Hotel Vive o Choro.

Montado diante do Centro de Memória e Referência, em um trecho da Goiás, o palco do projeto vai permanecer às sextas-feiras no local, recebendo nomes do chorinho que é produzido em Goiás ou convidados especiais, como o Quinteto Vento em Madeira, de São Paulo (a apresentação do bandolinista Armandinho, que havia sido anunciada, foi cancelada). O grupo, a partir das 20 horas, faz show com entrada gratuita, após a solenidade de abertura oficial do evento.

Formado pelos músicos Léa Freire, Teco Cardoso, Tiago Costa, Fernando Demarco e Edu Ribeiro, o Vento em Madeira se reuniu no final dos anos 90, após um reencontro de Léa e Teco 20 anos depois que se conheceram. Teco preparava um quarteto para lançar um CD solo, quando Léa retornava a São Paulo após uma temporada vivendo no interior paulista. O quarteto formado para a gravação logo virou o quinteto que acabou gravando um CD em uma tarde em Nova York, logo após uma apresentação no famoso Blue Note.

Pouco tempos depois, Léa convidou Teco para produzir um CD seu. Abrindo o disco vinha a composição Vento em Madeira, peça para flauta e piano que para o CD recebeu arranjo orquestral e levou ao surgimento do Quinteto Vento em Madeira. O grupo hoje é composto pelo piano de Tiago Costa, o contrabaixo de Fernando Demarco, a bateria/percussão de Edu Ribeiro, as flautas de Léa Freire e o sax e as flautas de Teco. Nos trabalhos autorais, eles passaram a homenagear alguns mestres do choro como Moacir Santos e Nelson Cavaquinho.

Erudita e jazz
Na programação principal da Revirada Cultural (veja horários e endereços no quadro), a noite de abertura está recheada de outros destaques. Além da estreia do espetáculo Olho, da Cia. Teatral Oops!... (leia ao lado), estão previstas uma apresentação de música erudita, uma do Quarteto de Cordas da Orquestra Sinfônica da Goiânia, às 18 horas, no Bosque dos Buritis, e outra do Coro Sinfônica de Goiânia, na Casa de Cultura Rhema/Cenarte (Rua 200, nº 812, Vila Nova). Além disso, haverá apresentações de bandas de jazz no Café Cultura do Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro, às 23 horas.

Sábado (14), haverá apresentações de bandas marciais dentro do Projeto Retreta, às 9 horas, no Parque Mutirama, e às 10 horas, na Praça do Violeiro, Setor Urias Magalhães. Também no Mutirama, às 10 horas, a Cia de Teatro Bandeirante apresenta um espetáculo infantil. Paralelamente, no Setor Cléa Borges, o Grupo Bastet encena Vamos a La Playa, também a partir das 10 horas.

No final da tarde, será a vez de o Parque Vaca Brava receber a animação do chorinho, com o grupo goianiense Alma Brasileira. Grupo integrante do Clube do Choro de Goiânia, o Alma Brasileira vai se apresentar na estrutura montada no parque a partir das 17 horas. Liderado por Oscar Wilde (bandolim), o Alma tem participação de músicos como Thiago (cavaquinho), João de Deus (bandolim), Lucas (cavaquinho), Attila Jardim (violão) e Thiago (flauta). No repertório trazem peças de Valdir Azevedo, Antônio Callado, Pixinguinha, entre muitos outros mestres do gênero.

No domingo (15), a música também prevalece com o projeto Retreta e o grupo Coró de Pau, no Mutirama, e o grupo instrumental Brasileirinho, no Bosque dos Buritis, ambos pela manhã. No Parque Areião, a Orquestra Sinfônica de Goiânia se apresenta a partir das 10h30. Intercalados durante o dia – às 12h30, 15 horas e 20 horas – diversos filmes serão exibidos no Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro.

O Revirada Cultural, que busca inspiração na mobilização cultural realizada na capital paulista, ainda vai oferecer diversos tipos de apresentações espalhadas por outros bairros da cidade. Entre os espaços contemplados pelo projeto estão casas de cultura, Parque Flamboyant, Bosque dos Buritis, praças, terminais e Avenida Goiás.

SEXTA-FEIRA, 13
7h – Alvorada festiva
8h às 17h – Distribuição de livros infantis (Praças Joaquim Lúcio e Universitária)
9h – Grupo Rhema Cenarte – Dança Contemporânea (Terminal Novo Mundo)
12h e 17h30 – Mostra Kieslowski (Cine UFG – Câmpus 2)
12h30, 15 e 20h – Mostra Documentários do Brasil (Centro de Cultura Goiânia Ouro)
16h – Revirada Cênica (Grupo Antrophos, Trupe do Sapequinha, Cia. Carlos Moreira, na Praça Joaquim Lúcio)
18h – Quarteto de Cordas da Orquestra Sinfônica de Goiânia (Bosque dos Buritis)
19h – Estreia do espetáculo Olho, da Cia. Teatral Oops!.. (Centro de Cultura Goiânia Ouro)
20h – Coro Sinfônico da Orquestra Sinfônica de Goiânia (Casa de Cultura Rhema/Cenarte)
20h – Abertura oficial – Grande Hotel Vive o Choro (Av. Goiás com Rua 3, Centro)
21h – Olho, da Cia. Teatral Oops!.. (Centro de Cultura Goiânia Ouro)
23h – Revirada Jazz (Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro)

SÁBADO, 14
9h – Projeto Retreta – Bandas Marciais e Musicais (Parque Mutirama)
10h – Vamos a la Playa, com Grupo Bastet (Parque Cléa Borges, Setor Cléa Borges)
10h – Teatro Bandeirante (Parque Mutirama)
10h – Projeto Retreta (Praça do Violeiro, Setor Urias Magalhães)
12h30, 15h e 20h – Mostra Documentários do Brasil (Centro de Cultura Goiânia Ouro)
16h – Teatro Bandeirante (Parque Mutirama)
17h – Grupo Instrumental Alma Brasileira (Parque Vaca Brava)
b – O Contador de Estórias do Cerrado, do Grupo Arte e Fogo (Praça São Judas Tadeu, Setor Judas Tadeu)
19h e 21h – Olho, da Cia. Teatral Oops!.. (Centro de Cultura Goiânia)

DOMINGO, 15
9h – Projeto Retreta (Parque Mutirama)
10h – O Mágico Ecológico, com Trupe do Sapequinha (Feira Hippie – Estação Cultura)
10h – Grupo Coró de Pau (Parque Mutirama)
10h – Grupo Instrumental Brasileirinho (Bosque dos Buritis)
10h – Projeto Retreta (Praça do Jacaré, Setor Crimeia Oeste)
10h30 – Orquestra Sinfônica de Goiânia (Parque Areião)
12h30, 15h e 20h – Mostra Documentários do Brasil (Centro de Cultura Goiânia Ouro)
16h – Por que Não?, do grupo Quasar Jovem (Praça Robinho Martins, Jardim Nova Esperança)
16h – Grupo Coró de Pau (Parque Mutirama)
20h – Olho, com Cia. Teatral Oops!.. (Centro de Cultura Goiânia Ouro)
Fonte: Goiasnet
http://www.goiasnet.com/

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

"O Pássaro do Bico de Ferro" abre nova temporada no Goiânia Ouro.


Adaptação de obra literária é atração no Goiânia Ouro

O Homem, a Mulher e o Pássaro. Essas três figuras arquetípicas se revezam e interagem no palco na peça O Pássaro do Bico de Ferro, adaptação de poema homônimo da escritora Maria Luísa Ribeiro que será encenada de hoje a domingo no Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro, no Centro.

Os atores são do Grupo Trupicão Cia de Teatro e a direção é assinada por Sandro de Freitas. O livro que originou a peça também será lançado nesta sexta-feira (25), a partir das 19h, no Café Cultura do Goiânia Ouro.

Publicado pela R&F Editora, que patrocinou a produção do espetáculo, O Pássaro do Bico de Ferro é composto por uma grande poesia dividida em 28 partes, num estilo épico. “Cada uma dessas partes corresponde a um estado de alma”, explica a autora. “Na adaptação, 18 dessas partes foram levadas ao palco.” Maria Luísa elogia o trabalho de adaptação do diretor Sandro de Freitas, já que o texto oferecia várias dificuldades para essa tarefa. “É um texto de desconstrução.”

Estética própria
Uma desconstrução que se torna transfiguração, na visão do diretor. Explicando seu modo de criação, ele afirma que seu objetivo foi fazer as figuras do palco passarem por diferentes universos, algo que transpusesse os limites do teatro e o próprio lirismo da poesia.

Com figurinos bastante coloridos, o espetáculo volta-se para uma estética urbana, em que a própria identidade parece difusa. Percepção acentuada pela trilha sonora composta pelo próprio Sandro. Tudo vai em direção a uma desfiguração discursiva do elemento humano formal, em que a caracterização de sentimentos e questões ligadas à alma são, em grande medida, problematizadas.

A escritora aprovou as leituras de seu poema feitas pelo diretor. “Foi ele quem me procurou para fazer a adaptação depois de ler um livro meu.” Ao ver o espetáculo montado, Maria Luísa revela que ficou emocionada. “O Sandro não mudou nada dos meus versos e ainda conseguiu dar um fio condutor à peça.” Não é a primeira vez que um texto da escritora vai parar no palco.

Alguns anos atrás, ela autorizou que alguns poemas de sua autoria fossem inseridos em um espetáculo produzido pelo Mvsika! Centro de Dança. “Alguns monólogos meus também já foram encenados”, acrescenta.

As partes do poema O Pássaro do Bico de Ferro começam sempre com o eu lírico dos versos – no caso, o pássaro – anunciando que bicará algo. Esta é a deixa para que o leitor entre no estado de espírito daquele trecho específico. De coisas sólidas, como o marfim, a elementos fluidos, como a fumaça, esse pássaro percorre, poeticamente, muitas possibilidades do ser humano.

spetáculo: O Pássaro do Bico de Ferro (adaptação do livro homônimo de Maria Luísa Ribeiro)
Direção: Sandro de Freitas
Elenco: Clégis de Assis, Robson Parente, Wesley Maurício (Grupo Trupicão Cia de Teatro)
Data: Todas as quintas de Agosto às 21hs.(Dias: 12; 19 e 26)
Local: Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro (Rua 3 c/ Rua 9, Centro)
Ingressos: 10 reais (inteira) e 5 reais (meia-entrada)
Informações: 3524-2541

Fonte: Goiasnet.