terça-feira, 29 de outubro de 2013

VOCÊ NÃO PODE PERDERO NOVO ESPETÁCULO DO GRUPO TRUPICÃO. 6 DE NOVENBRO NO TEATRO GOIÂNIA


SAD CITY, ESTRÉIA NO TEATRO GOIÂNIA EM NOVEMBRO.


SAD CITY

Grupo Trupicão Cia. de Teatro
Espetáculo Teatral: Sad City
Local: Teatro Goiânia
Dia: 6 de Novembro
Horário: 21hs


Ingressos: 20reais (inteira) 10reais (Meia entrada)


SINOPSE:

A fantasmagoria de uma de uma cidade paira sobre a vida de Luiz Lopes, Ele se apaixona pela miss, Layza Brum, com a qual insiste em viver um romance redentor, Layza o rejeita, pois é casada com Almério, um cego, que vive recolhido em sua casa, iluminado apenas pelo amor que sente pela esposa. Layza estampa um Outdoor que paira soberano sobre a triste cidade, intacta, linda, perfeita, devastando a lucidez de Luiz Lopes, que reage com insensatez e exaltação, até o desfecho do conflito.

DRAMATURGIA :

Sad City é um texto intrigante, repleto de simbolismos. A trama é tecida e moldada criando a metáfora de uma cidade, fragmentada, um hiperespaço em que tudo (Pessoas, objetos, ideias) está fora de lugar. As personagens são descentradas, evasivas, desviam o olhar, são inquietos, Raivosos, economizam palavras e perdem a clareza gestual, recusando o comprometimento um com o outro.


ENCENAÇÃO:
Sad City é uma peça sobre a cidade e a existência humana dentro da cidade, Sandro Freitas criou para seu novo espetáculo teatral, uma estética dilacerada, instigante, eclética, misturando formas, texturas, elementos que faz com que se crie no palco uma dialética poética, que também se estende ao processo interpretativo dos atores. Cada ator parte de seus impulsos interiores e os exteriorizam através do gesto, compondo uma relação intima com toda encenação. O objetivo é demonstrar o arquétipo do homem urbano contemporâneo, com suas heranças, vivências e sentimentos, a cenografia e a iluminação, não delimitam o espaço do palco italiano, a rua da cidade e o espaço privado de uma casa, formam um mesmo ambiente, transformando a plateia em espectadores de um lugar profundamente codificado, do qual nenhum personagem faz verdadeiramente parte.  Assim, a cenografia corresponde a um espaço construído que visa certos fins, a um não lugar e a um espaço de solidão. A trilha sonora construída a base de Mashup, mistura canções, ruídos sonoros e vocais para recriar o ambiente agitado da cidade e sua multiplicidade de informações.

SANDRO FREITAS
O diretor e dramaturgo da peça Sad City, já soma mais de 27
Anos de carreira e 15 anos a frente do Grupo Trupicão Cia. de Teatro. Entre suas principais montagens, estão: “Cadeiras Proibidas”, “Clowstrofobia”, “A Quase Dor de uma Intensa Alegria”, “Sobre o Amor”, “O Pássaro do Bico de Ferro”, “Distrito Zero” e o infantil “Dois Patetas Espatifados.” O ano passado foi premiado por seu texto “Desamor” no Festival Nacional de Teatro de Guaçuí no Espírito Santo, texto este, encenado pela Cia. teatral Oops e dirigido por João Bosco Amaral. Sandro é um diretor que acumula vários prêmios e é conhecido pela originalidade do seu trabalho, e a relevância que da para a interpretação dos atores. Suas principais referências são: Bertold Brecht, Bob Wilson, Frank Muller e Peter Brook.
Lei de Incentivo:
Sad City estreia patrocinado pela lei municipal de incentivo à cultura.



Ficha Técnica:

Roteiro e direção: Sandro Freitas
Elenco: Cristyanne Cabra
            João Dias Rosa
            Norval Berbari
Iluminação: Marcos Prado
Trilha Sonora, Figurino e maquiagem: Sandro Freitas.
Costureira: Marieta de Mendonça.
Programação Visual: Takeshi Gondo.
Fotografia: Gilson P. Borges
Coreografia e preparação corporal: Sacha Witkovski.